Abram alas para a escola de samba Independente Tricolor

0
430
Carro abre alas da Independente Tricolor. Foto: Divulgação

A Independente Tricolor, escola de samba oriunda da maior torcida organizada do São Paulo Futebol Clube, está mostrando na prática que está disposta a gravar o seu nome no carnaval paulistano. Com o samba enredo “É mentira”, a escola foi vice-campeã do Grupo de Acesso no carnaval deste ano e promete fazer um desfile inovador na sua estreia no grupo especial do Carnaval de São Paulo em 2018.

Após anunciar a renovação do primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira, Cley Ferreira e Lenita Magrini, a Independente surpreendeu e anunciou a contratação do trio de carnavalescos: André Cezari, Anderson Rodrigues e Roberto Monteiro, que irão comandar o projeto para o próximo ano. A escola pretende continuar com a vitoriosa trajetória dos últimos anos e planeja surpreender o público.

André Cezari foi membro integrante da comissão de carnaval da Beija-flor de Nilópolis por vários anos. Em São Paulo, realizou os projetos da Dragões da Real em 2013 e Rosas de Ouro em 2016. Roberto Monteiro é um renomado desenhista e projetista do carnaval do Rio de Janeiro e faz sua estreia como carnavalesco. Assim como Monteiro, Anderson Rodrigues, consagrado coreógrafo de São Paulo, também faz sua estreia como carnavalesco. Rodrigues comandou por seis anos a comissão de frente da Dragões da Real, onde conquistou o vice-campeonato deste ano.

Anderson Rodrigues, Cezar Cezari e Roberto Monteiro. Foto: Divulgação

 

“Iremos fazer um desfile alegre no carnaval de São Paulo. Será um divisor de águas. A Independente irá ousar na criatividade. Não posso revelar todos os segredos agora, mas estamos trabalhando duro para colocar a escola em outro patamar”, conta o carnavalesco e coreógrafo Anderson, que também assume a comissão de frente da escola, comandada há dois anos por Taiana Freitas.

 

 

Independente Tricolor

A Independente foi fundada como torcida em 1987, e entrou no carnaval em 2000 como um bloco carnavalesco, a exemplo de outras agremiações, tais como Gaviões da Fiel e Torcida Jovem dos Santos. Para tanto foi criado o Bloco Independente, com estatuto separado da torcida. Afastado durante anos, o bloco transformou-se em escola de samba, mas não competia, nem participava do carnaval oficial. Em 2009, incorporou a Malungos e adotou a denominação “Grêmio Recreativo Cultural e Escola de Samba Malungos Independente”, participou do Carnaval 2010, desfilando pelo grupo 4 do carnaval paulistano (equivalente à sexta divisão), e subindo para o grupo 3.

Em 2012 a escola passou a se chamar apenas “Grêmio Recreativo e Cultural Escola de Samba Independente Tricolor” e desfilou na Vila Esperança com o enredo “As Sete Novas Maravilhas do Mundo”, ficando com a segunda colocação no grupo 3 da União das Escolas de Samba Paulistanas (UESP), assim subindo para o grupo 2. Em 2013 a escola desfilou no autódromo de Interlagos. A agremiação levou para a avenida um enredo sobre o baralho, conquistando o título do grupo 2 da UESP, e ganhando assim o direito de desfilar no sambódromo paulistano no carnaval seguinte.

Desfile da escola de samba Independente Tricolor, 2017. Grupo de Acesso. Foto: Paulo Pinto – LIGASP

Em 2014 fez a sua estreia no grupo 1 da UESP, e se sagrou novamente campeã com o enredo “Canção paulistana”, uma homenagem a algumas das mais famosas canções que homenageiam a sua cidade. Com o novo título, obteve o direito de desfilar pelo grupo de acesso da Liga Independente das Escolas de Samba de São Paulo no ano seguinte.

Em 2015 a escola de samba Independente fez a sua estreia no grupo de acesso do carnaval de São Paulo. A agremiação que foi a primeira a desfilar. Surpreendida com uma forte chuva, desfilou a maior parte do seu tempo enfrentando problemas de infraestrutura do sambódromo. Uma queda de energia causou danos ao sistema de som, deixando diversos pontos da passarela sem iluminação, dificultando a visão de alguns jurados espalhados pelas torres de julgamento da pista de desfiles. A entidade fez um grandioso carnaval, mas acabou sendo prejudicada com tais acontecimentos e superou o rebaixamento após uma reunião com os representantes das agremiações pertencentes à UESP. Ficou constatado que o desfile da escola foi prejudicado, pois a entidade não desfilou em condições técnicas iguais às condições das demais entidades. Com isso, a escola de samba Independente Tricolor se manteve no grupo de acesso para o carnaval de 2016.

Em 2016 a Independente desfilou com o enredo “O que conta no faz de conta” e realizou um dos melhores desfiles da noite, brigando diretamente por uma vaga no grupo especial. A escola terminou a apuração com o 3º lugar do grupo de acesso do carnaval paulistano, superando as adversidades do carnaval anterior e conquistando a melhor colocação de sua história.

O tema “É mentira” consagrou a escola em 2017. Com a proposta de uma sátira às mentiras do dia a dia, de forma lúdica e surpreendente, a agremiação realizou o melhor desfile de sua história e foi apontada pela crítica como candidata a uma vaga no Grupo Especial, o que acabou se confirmando na apuração. A escola conquistou o vice-campeonato do Grupo de Acesso na última nota do último quesito julgado (samba de enredo) e garantiu a sua estreia no grupo de elite do carnaval de São Paulo em 2018.

Texto: Thainá Lana

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.