A Prefeitura de Mogi das Cruzes intensificou as ações da Patrulha Maria da Penha durante o período de restrições sociais devido à pandemia causada pelo novo coronavírus. O trabalho busca ampliar a segurança e a proteção às mulheres vítimas de violência doméstica. Desde março, 11 agressores já foram detidos pela Guarda Municipal.

No último domingo (05/07), um homem foi preso por ameaçar a ex-mulher em Sabaúna. A viatura da Guarda Municipal fazia patrulhamento pelo distrito quando foram acionados por uma mulher, que informou ter medida protetiva e denunciou que o ex-marido estava a ameaçando de morte. 

O acusado foi detido e, mesmo dentro da viatura, teria voltado a ameaçar a ex-mulher. Ele foi encaminhado ao 1º Distrito Policial, onde foi registrado Boletim de Ocorrência e permaneceu preso.

“A violência contra a mulher é um problema que, infelizmente, está presente em todo o Brasil e que merece uma atenção ainda maior durante este período de quarentena, quando as vítimas, muitas vezes, são obrigadas a ter contato com o agressor. Em Mogi das Cruzes, a Prefeitura vem adotando medidas para combater o problema e a Patrulha Maria da Penha é uma iniciativa que busca oferecer a sensação de segurança que estas vítimas merecem e precisam para poder seguir suas vidas”, destacou o secretário municipal de Segurança, Paulo Roberto Madureira Sales. 

A Patrulha Maria da Penha atua com duas equipes por turno de trabalho da Guarda Municipal. Desde março, as ações foram intensificadas e, com isso, as rondas próximas às residências e locais de trabalhos das vítimas e contatos telefônicos com as mulheres acompanhadas estão sendo feitos com maior frequência. 

De acordo com um estudo feito pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, no estado de São Paulo, o número de chamados de violência doméstica para a Polícia Militar cresceu 49% durante a pandemia.

Neste período, a Guarda Municipal registrou 19 ocorrências envolvendo violência contra a mulher. Deste total, 11 agressores foram presos em flagrante, enquanto 8 conseguiram fugir. Nestes casos, o acompanhamento à vítima é intensificado.

A Patrulha Maria da Penha completou dois anos de operação no mês de abril e acompanha atualmente 482 vítimas de violência doméstica, que possuem medidas protetivas determinadas pela Justiça. A patrulha oferece acompanhamento preventivo e periódico, para garantir proteção às mulheres em situação de violência que possuem medidas de urgência expedidas com base na Lei Maria da Penha (Lei 11.340/2006). 

A Guarda Municipal atende a população pelo telefone 153, que funciona 24 horas por dia.

Secretaria de Segurança