Creche inacabada é local para assaltantes e usuários de drogas

0
1990
O terreno se tornou também um depósito de lixo e, dependendo do dia, impede a passagem da população

Uma creche no Jardim Luiz Moura, em Ferraz de Vasconcelos, que deveria ter sido entregue há anos, permanece inacabada em pleno estado de abandono. Com aproximadamente 30% dos trabalhos concluídos, um incêndio que ocorreu na obra recentemente, deixou o local numa pior situação para uma possível reforma.

Localizada na Rua Maria Izabel de Souza Temporim, o terreno onde foi construída a creche é uma passagem de um lado para o outro da rua, que se tornou um depósito de lixo, e dependendo da quantidade, até impede o deslocamento das pessoas. “Esse lugar está à mercê desde a época do Dr. Jorge. Nós fizemos um abaixo-assinado com mais de 100 assinaturas, pagamos impostos absurdamente caros e até hoje nada foi resolvido”, afirma o munícipe Naldo Vieira, 61 anos.

A creche fica ao lado da Escola São Fernando, que aparenta ser bem cuidada, constratando ainda mais com a situação péssima do local. Uma quadra de futebol construída no terreno na gestão do ex-prefeito Dema também está descuidada.

Segundo os moradores, é muito comum encontrar usuários de drogas dentro do local, pessoas que mantêm relação sexual e até casos de estupro já ocorreram.

Com a carência de creches na cidade, a Associação Garotos do São Fernando levou até o terreno plantações de árvores para minimizar a quantidade de lixo no local, e chamar a atenção da Prefeitura para uma reforma, mas o projeto não deu certo. Infelizmente a quantidade de entulho aumenta a cada dia.

Isis Marcondes, moradora do bairro e trabalha na escola ao lado da creche, conta que dificilmente é feita a coleta de lixo, e a falta de iluminação dificulta ainda mais. “Uma das minhas preocupações são com as crianças, porque não existe ronda escolar, tenho medo que aconteça algo com elas”.

De acordo com a Prefeitura, as obras da creche já foram retomadas e o investimento é de R$ 350 mil, com a conclusão  prevista para seis meses.  Segundo o comandante da Guarda Civil Municipal, Cleverson Ramos, há patrulhas de rotina no local, até mesmo porque há uma Unidade Básica de Saúde (UBS) no bairro. O comandante também ressaltou que a GCM não recebeu nenhuma reclamação dos moradores sobre os problemas apontados na reportagem. A GCM orienta que quando tiver ocorrências, os munícipes façam o registro do Boletim de Ocorrência (B.O) para que a GCM tenha conhecimento dos casos e assim intensifique as rondas.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.