Somente nos primeiros oito messes deste ano, a Prefeitura de Ferraz de Vasconcelos arrecadou R$216,2 milhões e gastou R$189 milhões, o que representa um superávit de um pouco mais de R$27 milhões. Já no mesmo período do ano passado, a receita local atingiu R$194,3 milhões, ou seja, uma evolução de 12,07%. Os números foram divulgados durante audiência pública para avaliar o cumprimento das metas fiscais no segundo quadrimestre, na sexta-feira, dia 28, na Câmara Municipal, no centro.

Em contrapartida, a despesa já empenhada até dezembro do corrente o percentual atinge a bagatela de R$265,4 milhões, contra uma receita liquidada de R$189 milhões resultando, portanto, num déficit aparente de mais de R$49 milhões. Em todo caso, essa diferença desfavorável deverá ser compensada até o fim do ano. Por sua vez, os gastos com a folha de pagamento dos servidores ficaram em 48,77% ou R$155,7 milhões nos últimos 12 meses, patamar bem abaixo do teto máximo de 54%.

Em relação aos investimentos obrigatórios de maio a agosto, o Poder Executivo aplicou 25,55%, ou R$32,4 milhões, em Educação, de um mínimo de 25% e 18,41%, ou R$22,9 milhões, em Saúde, de um mínimo de 15%. Já de restos a pagar o saldo registrado até o dia 31 de agosto é de R$24,4 milhões, contra R$37,3 milhões até dezembro de 2017. Por outro lado, apenas com receitas próprias, isto é, com o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), Ferraz obteve R$18,3 milhões e com o Imposto sobre Serviços (ISS), R$6 milhões.

De transferências da União, a cidade recebeu até o segundo quadrimestre R$60,5 milhões do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) e R$43,5 milhões do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Do governo paulista, Ferraz de Vasconcelos teve um repasse de R$34,6 milhões do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e R$12,2 milhões do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA).