Em resposta a um requerimento aprovado pela Câmara Municipal de Ferraz de Vasconcelos, em junho deste ano, questionando quando será retomado o atendimento da psiquiatria do Hospital Regional Dr. Osíris Florindo Coelho, na Vila Corrêa, o governo paulista informou que espera a emissão do laudo técnico pelo Departamento de Vigilância em Saúde local do projeto básico para obter, com isso, o aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para, finalmente, iniciar a reforma do espaço do setor pediátrico.

Ainda, de acordo com o oficio datado de 10 de setembro do corrente e assinado pelo chefe de Gabinete da Secretaria de Estado da Saúde, Nilson Ferraz Paschoa, a expectativa é que as obras sejam viabilizadas somente no ano que vem tendo em vista o trâmite legal para a conclusão da licitação e a execução do futuro contrato. Além disso, o representante do governo estadual deixa claro que a volta do funcionamento da unidade psiquiátrica do Hospital Regional não depende apenas da reforma a ser feita, mas também será necessária a contratação de profissionais de enfermagem.

A ala de psiquiatria fora desativada de 2014, justamente, para que seja realizada a tal reforma de sua estrutura física, porém, passado todo esse tempo o governo estadual pouco feito para promover o restabelecimento do atendimento psiquiátrico considerado uma referência na região. Na prática, o fechamento temporário da referida unidade acabou afetando quase que por completo os serviços prestados por Centro de Atenção Psicossocial (Caps), já que, não têm lugar adequado para encaminhar pacientes que precisem, por exemplo, ficar internado, no Alto Tietê.

Autor do requerimento, o vereador Claudio Ramos Moreira (PT) ficou indignado com a resposta enviada pela Secretaria de Estado da Saúde. Para ele, o governo paulista cometeu um verdadeiro crime ao suspender o atendimento da ala psiquiátrica do Hospital Regional, em 2014, e de lá para cá, os usuários ficaram a mercê da própria sorte. “Na realidade, é um absurdo o governo de São Paulo parar o atendimento alegando uma simples reforma do prédio e demorar tanto tempo para agora dizer que aguarda um posicionamento da Vigilância Sanitária de Ferraz”, desabafa.