Experimentos com macacos e roedores fizeram vírus exibir sinais que permitem droga antirretroviral localizá-lo e matá-lo

SÃO PAULO — Um grande obstáculo nas pesquisas em busca da cura para a infecção de HIV é que ele pode se “esconder” dentro de células humanas, adotando uma forma latente que impede sua localização por drogas ou pelo sistema imune. Cientistas anunciaram nesta quarta-feira o sucesso de dois diferentes métodos para “desentocar” o vírus da Aids.

Os trabalhos, liderados pela Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill e pela Universidade Emory, de Atlanta, ambas nos EUA, obtiveram sucesso em reativar sinais da presença do vírus em experimentos com macacos e camundongos.

Para tal, os pesquisadores usaram drogas que fazem com que o HIV saia da latência e comece a produzir as proteínas que o compõem, deixando-o exposto.

Um dos experimentos, liderado por Victor Garcia, de Chapel Hill, usou a AZD5588, droga originalmente criada para tratamento de câncer, que também atua numa cadeia de reações imunes.

“Essa abordagem promissora para reversão da latência — em combinação com as ferramentas apropriadas para a liberação sistêmica da infecção por HIV — aumenta muito as oportunidades para liberação”, escreveu o cientista com seus coautores em estudo na revista científica Nature, que publica o trabalho.

Fonte: O GLOBO