Mogi das Cruzes está na 24ª colocação entre os 100 maiores municípios do Brasil segundo o ranking do Índice dos Desafios da Gestão Municipal (IDGM), realizado pelo Instituto MacroPlan e publicado na Revista Exame deste mês. O estudo, que aponta que Mogi ganhou 11 colocações em relação ao mesmo levantamento realizado em 2017, quando ocupava a 35ª colocação geral, avalia quatro áreas de atuação.C

Na segurança, em 2017 Mogi ocupava a 36ª colocação e agora é considerada a 7ª mais segura do País. Na educação, a cidade saltou da 17ª colocação em 2017 para 11ª em 2019. E em saúde, Mogi evoluiu do 71º para 32º lugar. Os resultados foram comemorados pelo prefeito Marcus Melo, que atribui os bons índices à combinação de investimentos públicos e gestão eficiente:

“Fico muito satisfeito com os números, que mostram não apenas avanços significativos em áreas onde há grande demanda por parte da população, mas principalmente que a nossa gestão está no caminho certo, e que mesmo com todas as dificuldades econômicas, estamos melhorando”, afirma Melo.

“Nosso maior crescimento foi na saúde, área que recebeu novos equipamentos e profissionais e segue sendo incrementada. Mogi também apresenta ótima posição na segurança, que é um clamor da população. A educação mantém o padrão de atendimento elevado e, no saneamento, estamos avançando de forma gradativa, atendendo, sobretudo, os bairros”, destaca.

Para o prefeito, as perspectivas futuras são ainda melhores, por conta da série de obras e programas que estão sendo implantados. “Na saúde, estamos construindo a maternidade municipal, ao lado do Hospital Municipal, e o Complexo Integrado de Atendimento à Saúde, na divisa entre o Rodeio e Cezar de Souza e ainda estamos ampliando a oferta de exames e consultas na rede, mesmo aquelas que não são de responsabilidade da Prefeitura.”, detalha.

“Em segurança, devemos destacar as obras do Polo de Segurança e da Central de Inteligência da Guarda. E em Educação, temos ainda 12 novas creches para inaugurar e estamos ampliando o uso da tecnologia como ferramenta pedagógica. Com todos esses investimentos, não tenho dúvida alguma de que nossa colocação vai ser ainda melhor nos próximos anos”, enfatiza Marcus Melo.

Entre as ações que já proporcionaram essa melhoria significativa na colocação da cidade, o prefeito menciona a redução na mortalidade infantil em Mogi das Cruzes, que foi de 9,46 por mil nascidos vivos em 2017, menor que a média dos 100 maiores municípios do país.

O atendimento pré-natal também evoluiu. O índice de bebês cujas mães fizeram sete ou mais consultas pré-natal foi de 82,02% em Mogi das Cruzes em 2017. “Essa proporção é maior que a média dos 100 maiores municípios do país nesse ano – o que coloca a cidade na 15ª melhor posição em pré-natal”, comemora o prefeito.

Na área de segurança, a taxa de homicídios em Mogi das Cruzes teve queda expressiva. Ela caiu de 12,40 para 5,99 por 100 mil habitantes no período de dez anos compreendido entre 2007 e 2017.

O ponto positivo foi que, em 2017, a cidade apresentou uma taxa menor que a média dos 100 maiores municípios do Brasil, ocupando a 2ª melhor posição no ranking. “Estamos investindo muito em segurança, com a contratação de novos guardas, compra de viaturas, novos equipamentos e parceria reforçada com as Polícias Civil e Militar. Isso aumenta tanto a sensação de segurança com os índices de forma concreta, o que se reflete em um levantamento como este”, observa Melo.

Mogi das Cruzes é a 7ª cidade mais segura do país, aponta estudo

Mogi das Cruzes é a sétima cidade mais segura entre os 100 maiores municípios brasileiros, de acordo com o Índice dos Desafios da Gestão Municipal (IDGM) 2020. A cidade registrou índice de 0,885 e subiu 29 posições em comparação com o ranking de 2017 e duas posições em relação ao de 2018, consolidando-se como destaque no setor.

O município é ainda o segundo com o menor índice de homicídios registrados por 100 mil habitantes, de acordo com os números reunidos pela empresa Macroplan, responsável pelo estudo. Foram 5,99 homicídios registrados para cada 100 mil habitantes, contra 12,40 homicídios por 100 mil habitantes de 2007, uma redução de 42,22% no período.

O índice de mortes por acidentes de trânsito, outro índice usado no setor de segurança do estudo, também caiu na cidade. Neste caso, com 13,83 mortes por 100 mil habitantes, o que levou a uma diminuição de 21,57%.

A Prefeitura de Mogi das Cruzes vem investindo fortemente em ações para a melhoria da sensação de segurança da população. O uso de tecnologia é um destaque, com a ampliação do sistema de monitoramento. Desde 2017, o número de câmeras implantadas em vias públicas dobrou, passando de 53 para 106 câmeras.

A Guarda Municipal passou a atuar junto ao patrulhamento da cidade e também vem recebendo investimentos, com a contratação de 80 novos profissionais e a entrega de 29 novas viaturas. A corporação ganhou novos grupamentos, como a Ronda Escolar, a Patrulha Rural e a Patrulha Maria da Penha, que atua na proteção a mulheres vítimas de violência.

Outra ação importante da Prefeitura está no investimento em infraestrutura. A administração municipal está construindo o Polo Municipal de Segurança, em Jundiapeba, que melhorará a segurança no distrito e bairros próximos. A estrutura tem investimento de R$ 1 milhão e previsão de entrega para o mês que vem. Além de uma base para a Guarda Municipal, a Prefeitura também trabalha junto ao Governo do Estado para a instalação de um Batalhão de Ações Especiais da Polícia (Baep) no Polo Municipal de Segurança.

Outro investimento é a construção da Central de Inteligência da Guarda Municipal, na avenida Engenheiro Miguel Gemma. A obra tem investimento de R$ 3,9 milhões e reunirá as estruturas operacionais da Secretaria Municipal de Segurança e da Guarda Municipal, além da nova Central de Monitoramento.