O prefeito de Suzano, Rodrigo Ashiuchi, ao lado do secretário estadual de Educação, Rossieli Soares, acompanhou na manhã da segunda-feira (09/03) as obras da Escola Estadual Professor Raul Brasil, que foi alvo de um massacre que resultou na morte de dez pessoas e que vai completar um ano na próxima sexta-feira (13/03). A expectativa é que as intervenções, que chegaram a 90% de sua conclusão, sejam finalizadas e entregues no próximo mês.

Em uma área construída de 2 mil metros quadrados, a instituição de ensino recebeu melhorias em seu interior, com grandes mudanças. “Nosso objetivo é de estabelecer um novo aspecto à escola. Revestimos os ambientes com novos pisos, criamos novos blocos de estudos e ambientes de convivência”, detalhou Soares.

Uma das principais mudanças foi a troca do portão de entrada, que vai passar da rua Otávio Miguel da Silva para rua José Garcia de Souza. Inclusive, haverá dois portões, sendo um destinado para a entrada de alunos e um para visitantes. Outro ponto destacado foi a criação de um bloco pedagógico e um administrativo. Desta forma, a unidade totalizará 21 salas de aula.

Além disso, segundo o Governo do Estado, a escola também vai ter uma nova biblioteca e uma área de prática esportiva, com meia quadra de basquete. “O prédio principal, que antes era utilizado como ala da diretoria e com salas de aulas, ficará exclusivamente como setor pedagógico, com ambientes mais iluminadas e maiores e com um laboratório maker, com notebooks e até com impressora 3D”, pontuou o titular da Educação estadual.

Para a área do refeitório, houve ampliação da cozinha, criação de um banheiro para funcionários e mudança no local da cantina. No entorno da escola, Soares explicou ainda que haverá um projeto de grafitagem com artistas locais com apoio do muralista Eduardo Kobra. O investimento total da obra foi de R$ 3,1 milhões, financiados pela iniciativa privada, sob organização do Instituto Ecofuturo. 

“Quero destacar aqui hoje que sou grato ao apoio do prefeito Rodrigo Ashiuchi, que não mediu esforços para nos auxiliar neste trabalho e no atendimento às pessoas”, enalteceu o chefe da pasta.

Quanto aos trabalhos voltados à segurança escolar, Soares disse, durante coletiva de Imprensa, que realizou uma série de revisões nos procedimentos adotados pela rede estadual de ensino e que está oferecendo uma disciplina de projeto de vida aos estudantes, que visa oferecer uma reflexão de onde estão e para onde querem chegar.

“Também criamos o projeto Conviva, que busca identificar casos de bullying. Estamos com um projeto-piloto com policial da reserva em uma escola estadual e ampliamos o número de câmeras de monitoramento integradas aos agentes de segurança. Vale ressaltar que aqui na (escola) Raul Brasil colocamos psicólogos para atendimentos dos alunos e funcionários”, destacou o secretário.

Na oportunidade, Ashiuchi também apresentou os trabalhos realizados pela prefeitura, com a contratação de agentes de segurança escolar; implantação de alarmes e de botão de pânico em todas as escolas municipais; com a chegada de 40 novos psicólogos e realização de mais de 24 mil atendimentos entre março e dezembro de 2019; e com a prevenção à violência escolar, em parceria com o Instituto Cultiva, que capacita profissionais da Educação para identificação de possíveis casos de vulnerabilidade e violência.

“Com esse projeto, a gente consegue identificar casos de bullying, de automutilação e outros fatores de violência, buscando a integração com as famílias, visitando as casas dos alunos, e oferecendo apoio com nossa equipe multidisciplinar”, finalizou o prefeito.

Também estiveram presentes a presidente do Fundo Social de Solidariedade de Suzano, a primeira-dama Larissa Ashiuchi, e os secretários municipais de Educação, Leandro Bassini, e de Cultura, Geraldo Garippo; bem como membros do Governo do Estado de São Paulo.

Crédito das fotos e Fonte: Wanderley Costa/Secop Suzano