Afetados diretamente por conta da suspensão das aulas desde o dia 18 de março passado devido à pandemia do novo coronavírus (Covid-19), os condutores de vans escolares na cidade estão, de fato, passando por sérias dificuldades financeiras para manter o sustento da família e, ao mesmo tempo, continuar pagando taxas e eventuais prestações de seus veículos. Em Ferraz de Vasconcelos, a categoria reúne cerca de 140 profissionais credenciados.

            Por isso, para minimizar os impactos dessa perda da única fonte de renda de transportadores escolares, a vereadora Roseli Aparecida Messias Ferreira (PSC), a Rose Fitness defende que a Prefeitura Municipal estude uma maneira de agregar os chamados tios, isto é, contratando eles para auxiliar na locomoção de equipes dos serviços essenciais. Na prática, ela quer que os profissionais parceiros possam transportar agentes que atuam na linha de frente no combate à covid-19.

            Ainda, segundo a parlamentar, os condutores escolares também poderiam ser utilizados na entrega de cestas básicas nas casas de famílias que apresentam alta vulnerabilidade social, ou seja, pobreza extrema e que, portanto, não possuem recursos financeiros para sair de suas residências situadas, sobretudo, na periferia da cidade. Com isso, além de contribuir para atenuar o prejuízo da categoria, a medida ajudaria para evitar qualquer tipo de aglomeração.

            “Em contrapartida, esses pais de família teriam uma maneira de ganhar o pão de cada dia. Em suma, poder manter as suas necessidades básicas em dia até a volta das atividades escolares, em breve”, diz Rose Fitness. Além dela, o colega Claudio Ramos Moreira (PT) também solicitou um plano de ação para beneficiar os transportadores escolares. Neste caso, o petista sugeriu, por exemplo, a doação de cestas básicas ou de  vale-alimentação. A iniciativa abrangeria ainda taxistas. Há relatos de profissionais passando por necessidades básicas em casa.

Por Pedro Ferreira