A doação de sangue não é apenas um ato de solidariedade, mas antes de tudo, um ato de salvar vidas. Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), somente 1,6% dos brasileiros costumam doar sangue, sendo que o ideal seria entre 3% e 5%.

       No mês de junho, quando as temperaturas começam a cair por causa do inverno e as doenças respiratórias surgem com mais frequência, as doações caem drasticamente. Infelizmente, essa realidade pode agravar-se neste ano com o enfrentamento do novo coronavírus.

       Por cauda dos baixos estoques de sangue, este período recebeu uma campanha toda especial e com reconhecimento nacional. Trata-se do Junho Vermelho, mês de incentivo para doação de sangue.

O Dia 14 de junho foi escolhido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como Dia Mundial do Doador de Sangue. Essa data homenageia Karl Landsteiner (1868 – 1943), médico e biólogo austríaco naturalizado americano. Em 1930 ele ganhou um Prêmio Nobel pela classificação do sistema ABO e descoberta do Fator Rh. Tendo esta data comemorativa no mês de junho, o grupo Eu Dou Sangue, criou a campanha Junho Vermelho, para incentivar a doação, adotando a cor vermelha como carro chefe do movimento.

Em condições de saúde normais, um homem pode doar sangue 4 vezes ao ano e a mulher 3. As bolsas coletadas, podem ajudar as pessoas que por ventura necessitem de uma transfusão, pelos mais variados motivos, como: tratamento oncológicos, acidentes, leucemia aguda, cirurgias, dentre outros.

       Quem precisa de sangue depende da generosidade das pessoas. Isso porque não existe nenhuma medicação que substitua a doação de sangue. Nesse contexto, é de extrema importância que a população possa se comover e aderir à campanha para aumentar os bancos de sangue no país.

Atualmente, de acordo com o Ministério da Saúde, são feitas 3,4 milhões de doações de sangue ao ano no país. É preciso aumentar esse número e esse é o objetivo do Junho Vermelho. Para cada bolsa de sangue doada, quatro vidas podem ser salvas.

Quem Pode Doar?

Muitas pessoas sabem da importância de doar sangue, mas têm medo de agulha ou desconhecem a forma como é feita a doação. É preciso esclarecer que o procedimento é totalmente seguro, realizado com materiais descartáveis. Sem contar que o doador estará assistido por uma equipe treinada em hemocentros e hospitais.

A cada coleta são retirados 450 ml de sangue, quantidade que o corpo é capaz de repor em até 72 horas. Assim, não há risco de qualquer problema para o doador. A única recomendação é respeitar o intervalo entre as doações:

  • Homens devem esperar 60 dias entre uma coleta e outra ou realizar, no máximo, 4 doações em um ano;
  • Mulheres devem esperar 90 dias para doarem sangue novamente ou realizar, no máximo, 3 doações no ano.

Requisitos para doares:

  • Ter entre 16 e 69 anos — para aqueles com 16 a 18 anos incompletos é exigida a autorização dos responsáveis;
  • Ter mais de 50 kg e estar em boas condições de saúde;
  • Ter se alimentado antes do procedimento — mas é preciso evitar o consumo de comidas mais gordurosas 3 horas antes da doação;
  • Estar descansado — a pessoa deve ter dormido pelo menos 6 horas no último dia;
  • Levar um documento oficial com foto, como RG, CNH, Carteira de Trabalho etc.

 

Situações temporárias que impedem a doação:

Há alguns casos em que a doação não pode ser realizada temporariamente, como:

  • Pessoas com sintomas de resfriado devem aguardar 7 dias;
  • Quem ingeriu bebidas alcoólicas deve aguardar 12 horas;
  • Quem fez maquiagem definitiva ou tatuagem só pode realizar a doação de sangue depois de 1 ano;
  • Gestantes;
  • Mulheres que tiveram filhos — após a realização de parto normal é necessário esperar 90 dias e da cesárea, 180 dias;
  • Mulheres que amamentam só podem doar depois de 12 meses do parto;
  • Quem tomou vacina contra a gripe precisa esperar 48 horas.

Participe da campanha Junho Vermelho, doe sangue e restaure a esperança na vida de muitas pessoas.

Por Junior dos Anjos