Reeleito para o seu segundo mandato consecutivo com a terceira maior votação nas urnas, no dia 15, com 1.754 votos, o vereador Claudio Roberto Squizato (PL) vai fazer de tudo para convencer a Prefeitura de Ferraz a construir um hospital veterinário público e, portanto, gratuito. O vereador quer também vê criada na cidade uma farmácia veterinária popular. “Em suma, os donos de bichos de estimação podem contar comigo como sempre foi, isto é, terem a certeza que defenderei os mais vulneráveis”, opina.

Paralelamente, Claudio Squizato acrescentou que vai continuando apoiando projetos culturais, na cidade, assim como, cada vez mais engajado em defesa da causa animal de um modo geral.. Além disso, ele também manterá a sua ajuda política em prol da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE). O vereador informou ainda que utilizará o seu novo mandato para lutar por benefício para pessoas portadoras de autismo.

“Na verdade, representar esses dois segmentos faz parte da minha bandeira política nos próximos 4 anos”, diz Squizato. Na prática, ele tem plena consciência de que a APAE e a associação de autistas carecem de apoio oficial. No tocante, a futura administração municipal, o vereador afirmou que está bastante esperançoso no governo da professora e primeira mulher eleita para gerenciar Ferraz de Vasconcelos, Priscila Gambale (PSD).  “Tem tudo para fazer um excelente governo”, diz.

Bacharel em direito e em gestão pública, Claudio Squizato explica que iniciou a sua carreira política ao coordenador a campanha eleitoral do então candidato a prefeito, José Carlos Dias Loureiro, em 2004. Dois anos depois, ele assumiu a direção da Defesa Civil e a pasta de Serviços Urbanos, na gestão do então prefeito, Jorge Abissamra (PSB), o Dr. Jorge. No período, manteve contato direito com a população.

Em 2012, disputou a sua primeira eleição para o cargo de vereador. Na época, alcançou a primeira suplência. Finalmente, em 2016, elegeu-se para representar o povo na Câmara Municipal. Agora, com a sua recondução para a legislatura de 2021 a 2024, ele reconhece que aumentou ainda mais a sua responsabilidade, já que naturalmente vão crescer as cobranças por parte de moradores.

Por Pedro Ferreira, em 24/11/2020.