Pessoa em Londres

Um país com grande parte das escolas e do comércio aberta, duas vacinas já aprovadas e sendo aplicadas na população e metas ambiciosas para controlar a pandemia e voltar à vida normal “até a Páscoa”.

Esse era o Reino Unido até recentemente. Mas nesta semana o premiê britânico, Boris Johnson, decretou a volta do lockdown na Inglaterra em seus moldes mais restritos desde março do ano passado, o auge da primeira onda da pandemia.

Escolas e comércio não essencial ficarão fechados, as pessoas estão proibidas de sair de casa a não ser por motivos especiais (como ir ao mercado) e grande parte do país ficará fechado pelo menos até metade de fevereiro.

Há algumas semanas, Johnson havia sugerido que a vida poderia voltar ao normal já na próxima Páscoa. Agora, ele alerta que restrições rígidas (não necessariamente do mesmo nível das atuais) devem seguir até esse mesmo feriado.

O motivo das medidas: enquanto o país vivia uma euforia com o começo da vacinação, os números de casos, hospitalizações e mortes por covid-19 dispararam para muito além das previsões das autoridades e especialistas. E parte desse aumento foi atribuído a uma nova variante do coronavírus que tem chegado a diversos países, inclusive o Brasil.

Fonte: BBC