A superlotação de pacientes nos corredores do Hospital Regional Dr. Osíris Florindo Coelho, na Vila Corrêa, em Ferraz de Vasconcelos, foi fortemente criticada pelo vereador Claudio Ramos Moreira (PT), na sessão ordinária, na segunda-feira, dia 14. Segundo o petista (foto), a situação enfrentada na unidade hospitalar estadual nas últimas semanas, principalmente, neste período de pandemia é dramática e, ao mesmo tempo, desumana.

Na realidade, de acordo com ele, a crise sanitária que já ceifou a vida de 384 ferrazenses até o último balanço divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde na terça-feira, dia 15, só contribui para piorar ainda mais o quadro de penúria constatado no Hospital Regional (foto). Além de denunciar o estado deplorável no tocante à falta de leitos na unidade, Claudio Ramos também reclamou do fechamento desde 2014 da ala de psiquiatria. “Na época, falaram que era para fazer uma reforma, mas ficou nisso”, diz.

Por outro lado, o petista acrescentou ainda que o Hospital Regional deixou de ser uma referência no tratamento da Covid-19 como chegou a acontecer no ano passado. Porém, independente disso tudo, para ele, o mais insustentável é encontrar pessoas jogadas e misturadas nas macas nos corredores da unidade. “É, de fato, uma cena chocante que só revela o descaso como as autoridades responsáveis pelo setor costumam cuidar da saúde do cidadão”, salientou Claudio Ramos.

Neste caso específico, como o assunto é uma atribuição das autoridades paulistas, o vereador cobrou a presença mais constante do primeiro representante de Ferraz de Vasconcelos na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), o deputado Rodrigo Gambale (PSL). Na opinião dele, o parlamentar tem livre trânsito no Palácio dos Bandeirantes, ou seja, faz parte da base aliada do governador, João Doria (PSDB) e, portanto, pode e deve intervir pela ampliação de leitos no Hospital Regional.

                                                           Pedido

Mesmo assim, ele afirmou que vai elaborar um requerimento em forma de ofício à Secretaria de Estado da Saúde reivindicando providências urgentes para tentar, no mínimo, atenuar o sofrimento dos pacientes internados no Regional. O texto poderá ser aprovado na próxima sessão ordinária, na segunda-feira, dia 21, a partir das 9h. O presidente da Casa, Flávio Batista de Souza (Podemos), o Inha (foto), também criticou a ausência de leitos na unidade. “O nosso povo está morrendo à míngua”, concluiu.

Por Pedro Ferreira, em 16/06/2021.