Sem capacidade de buscar recursos federais e estaduais para Ferraz de Vasconcelos, a prefeita eleita Priscila Gambale recorreu ao que é mais fácil conseguir: um empréstimo financeiro para custear obras da Prefeitura, no total de R$ 21,3 milhões, junto à Caixa Econômica Federal, a ser pago em 125 parcelas – ou seja, a cidade terá mais uma grande dívida por mais de 10 anos. E a responsabilidade de pagar as parcelas cairá inclusive no colo dos próximos dois prefeitos.  

A bufunfa foi aprovada em segunda sessão da Câmara Municipal no último dia 14 de junho, por maioria dos votos, com apenas um vereador contrário: Antônio Carlos Alves Correia, o Tonho, do partido Republicanos. Os demais 16 vereadores foram favoráveis e nenhum deles solicitou pedido de vistas para todos avaliarem melhor o conteúdo e os objetivos do tal empréstimo – atitude comum nesse tipo de propositura que envolve enorme volume de dinheiro. Não é estranho? Fica a impressão de que a Câmara virou uma espécie de cartório homologador dos projetos do Poder Executivo (da prefeita), a toque de caixa.

Outra situação pra desconfiar: em dezembro de 2020, assim que terminou seu mandato, o ex-prefeito Zé Biruta deixou o caixa da Prefeitura positivo, com R$ 70 milhões disponíveis. Será então que tamanho recurso não foi o suficiente para dar início às obras e manutenção dos serviços da nova administração? Biruta inclusive pagou dívidas durante sua gestão, não contraiu empréstimos, e sua administração ficou a desejar do ponto de vista de grandes realizações. É bem provável que a ausência de obras contribuiu para a derrota do Homem do Chapéu nas urnas.

Imatura, Priscila não enxerga como Zé Biruta, pois tem no seu pé, ou na sua sombra, o irmão ambicioso e deputado estadual Rodrigo Gambale (grande articulador da eleição da irmã à prefeita), pré-candidato a deputado federal em 2022.

Rodrigo sabe que terá outros pré-candidatos na mesma disputa, tanto em Ferraz, como no Alto Tietê, e precisa da vitrine das obras da irmã, sob sua tutela, para disparar na contagem de votos nas urnas. Até o momento, em mais de dois anos no cargo de deputado estadual, o deputado Gambale fez mais propaganda de obras alheias do que propiciou recursos financeiros do Estado para o nosso município. Lembram-se do vídeo dele em estação da CPTM para divulgar a modernização dos trens como se fosse sua a iniciativa. Rodrigo ainda teve a coragem de anunciar que a extensão da viagem entre as estações Luz e Estudantes, sem baldeação em Guaianases, havia sido de sua autoria. Essa tática da mentira dita aos montes, em vídeos nas redes sociais, é ferramenta para iludir o povo ferrazense.

As falácias do irmão são compartilhadas com a prefeita. Assim foi na propaganda do IPTU sem reajuste por quatro anos. Não aconteceu! E o que se percebe, de fato, é que passados quase seis meses do governo de Priscila Gambale à frente da Prefeitura, pouco se viu dos grandes projetos do Plano de Governo da campanha eleitoral do ano passado. Cadê o aplicativo Simplifica Ferraz para agendar consultas médicas pelo celular, verificar a presença de filhos nas escolas, disponibilizar o botão do pânico para a segurança das mulheres? Onde estão os projetos Rua Legal, Centro de Artes, Estúdio Popular? No transporte público, não se observam as promessas de Bilhete de Integração, Passe Livre para estudantes e idosos acima dos 60 anos, Redução do Horário de Intervalo entre os Ônibus. E a conversa de tapar todos buracos da cidade em 100 dias de governo, que já se passaram? Tudo marketing político para enganar os eleitores.

Pelo que foi anunciado na Câmara Municipal, o empréstimo de R$ 21,3 milhões servirá para a construção de creches (R$ 5,9 milhões), reforma de Unidades Básicas de Saúde (R$ 4 milhões), iluminação pública (R$ 5 milhões), pavimentação de ruas (R$ 3 milhões), modernização da Guarda Civil Municipal (R$ 3,1 milhões) e manutenção dos distritos policiais (R$ 250 mil). Nada é definido em quantidade, observem. Quantas creches, UBS, postes iluminados, ruas pavimentadas? E por aí vai . . .

Antes de ser sancionado pela prefeita Gambale, o projeto de lei do empréstimo volta a ser discutido na Câmara entre os vereadores e a secretária da Fazenda, Cristina Duarte Silva. Não há data definida para esse encontro, que provavelmente não será aberto ao público.

Cabe à população de Ferraz reclamar desse tipo de empréstimo, como apontou enquete do Programa Bom Dia Cenário, da TV Cenário, no dia 15 de junho, em que 80% dos participantes apoiaram a decisão do vereador Tonho de votar contra o projeto da prefeita.

Irmãos Gambale, podem chorar! Estamos de olho!

Augusto do Jornal, diretor nacional de Finanças da CGTB e 2º suplente de vereador pelo PSB em Ferraz de Vasconcelos

.

.

.

Nota do editor: os textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais iconográficos publicados pelo colunista não refletem necessariamente o pensamento do Cenário Notícias, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es)as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.