O governo de São Paulo anunciou nesta quarta-feira (25) que vai começar a aplicação da dose de reforço da vacina contra Covid-19 no dia 6 de setembro nos idosos acima de 60 anos do estado.

“Desde a semana passada, o comitê vem discutindo com a área da saúde do governo de São Paulo e também com o comitê do Programa Estadual de Imunização (PEI), a proteção das pessoas com mais idade, com mais de 60 anos, e essa decisão foi finalizada hoje pela manhã e para aumentar a proteção do público com mais de 60 anos, suscetíveis, portanto, aos efeitos da Covid-19”, afirmou o governador João Doria (PSDB) em coletiva de imprensa.

Segundo a gestão estadual, a terceira dose será destinada à população dessa faixa de idade que tomou a segunda dose há seis meses.

“As pessoas acima de 60 anos que serão vacinadas são aquelas que já completaram 6 meses da segunda dose. Se mesmo tendo mais de 60 anos, se a segunda dose ocorreu a menos de 6 meses, ela deverá aguardar até completar os 6 meses. Isso é uma questão técnica, porque é a partir do 6º mês que há possibilidade de uma queda na imunidade, antes disso não teria sentido”, explicou o secretário-executivo do Comitê Cientifico paulista, João Gabbardo.

O grupo deverá ser vacinado com a marca da vacina que estiver disponível nos postos.

“Em relação à marca da vacina, o posicionamento do Comitê Científico é que essa terceira dose ou a dose adicional pode ser utilizada com a vacina que nós tivermos disponível. Lembro também que quando chegar a vez da Janssen, que também é dose única, haverá uma dose de reforço para quem tomou Janssen. Então, a vacina, o fabricante, vai ficar de acordo com a disponibilidade”, disse Gabbardo.

Segundo os especialistas, há uma diferença nos termos “terceira dose” e “dose de reforço”. Dose de reforço é aquela que vai fazer a manutenção do nível de anticorpos, já a terceira dose, é a dose necessária para completar o esquema vacinal, atingindo a proteção desejada.

Segundo o calendário nacional, a dose de reforço começa a ser aplicada na população acima de 70 anos e pessoas imunossuprimidas em 15 de setembro.

Ainda não foi definido pela gestão estadual como será feita a aplicação da dose de reforço na população imunossuprimida.

João Doria disse que a antecipação da data já era discutida pelo Programa Estadual de Imunização e defendida pelo grupo de médicos e cientistas responsável pela condução da crise da Covid-19 no estado.

Segundo João Gabbardo, a medida foi tomada a fim de conter o avanço da variante Delta.

O governo ainda divulgará as datas do programa e o calendário de escalonamento por faixas etárias.

“Esse escalonamento vai obedecer aos mesmos critérios do início da vacinação, começaremos com as faixas etárias mais altas, pessoas acima de 90 anos, depois vai baixando, e o cronograma vai sendo estabelecido de acordo com os cálculos de disponibilidade da vacina que o nosso pessoal da Secretaria da Saúde ainda fará os cálculos para poder tornar público como será o cronograma, com que velocidade essas pessoas serão vacinadas”, explicou o secretário-executivo.