Pelo segundo dia consecutivo, caminhoneiros que apoiam o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e se declaram contra o Supremo Tribunal Federal (STF) fazem manifestações e bloqueiam rodovias em todo o Brasil nesta quinta-feira (9).

Segundo boletim divulgado pelo Ministério da Infraestrutura com dados da Polícia Rodoviária Federal (PRF), eram registrados pontos de manifestações em rodovias federais de 14 estados, tendo interdições em cinco deles: BA, MA, MG, MS e SC.

Até o fim desta manhã, algumas rodovias já estavam sendo liberadas pelos caminhoneiros. As estradas de São Paulo já foram liberadas, porém, os manifestantes continuam nos acostamentos. Em Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Bahia, as vias já foram liberadas. Já em Santa Catarina, um grupo bloqueia a saída de uma refinaria.

Os manifestantes têm liberado somente cargas de alimentos perecíveis, carros pequenos e veículos de emergência na maioria das vias.

Segundo o Ministério da Infraestrutura, não há mais pontos de interdição de pistas na malha rodoviária federal.

O presidente Jair Bolsonaro gravou um áudio pedindo para os caminhoneiros liberarem as estradas do país. No áudio, Bolsonaro diz que os bloqueios “atrapalham a nossa economia” e “provoca desabastecimento, inflação e prejudica todo mundo, em especial, os mais pobres”.

Além das manifestações e bloqueios nas rodovias, caminhoneiros também bloquearam vias da Esplanada dos Ministérios, em Brasília. Seguem interditadas a N1 e a S1. Os manifestantes viraram a noite na Esplanada. Policias estiveram no local para reforçar a segurança.

A pista que dá acesso ao Congresso Nacional, ao Supremo Tribunal Federal (STF), ao Palácio do Planalto e aos prédios dos ministérios, foi fechada no domingo (5), para as manifestações de 7 de setembro. Porém, um grupo apoiador do presidente Jair Bolsonaro segue no local.