O mês de outubro além de ser lembrado pela conscientização do câncer de mama é também marcado pelo Dia Mundial da Saúde Mental (10 de outubro), uma das principais questões do século 21. Com a pandemia e o isolamento social, esse assunto ganhou ainda mais destaque. Um estudo feito pelo laboratório Pfizer revelou que 39% das pessoas na faixa de idade entre 18 e 24 anos disseram que a saúde mental ficou ruim neste período e 11% responderam que ficou muito ruim. Na amostra total, 5% disseram que a saúde mental está muito ruim e 25% ruim, totalizando 30%.

Para o psicólogo e professor da UMC, Flávio Alves da Silva, a pandemia afetou bastante as pessoas psicologicamente. “O isolamento social potencializou uma série de danos à saúde mental da população, porque as preocupações com a manutenção da própria vida aumentaram”, complementa Flávio.

Ele ainda cita que quando se fala em saúde mental não está se referindo somente ao surgimento de transtornos ou doenças propriamente ditas, mas também, aos problemas que as pessoas têm de lidar em sua vida profissional, pessoal, diretamente ligada as emoções. “Além de ser determinante para a estabilidade física, a saúde mental está relacionada à qualidade da interação individual e coletiva. No cenário atual, buscar alternativas que possibilitem a harmonia nessas relações é uma urgente necessidade. Nós vivemos tempos difíceis, onde muitas vezes não temos uma rede suporte social necessária, além dos problemas gerados pela pandemia o que pode agravar mais ainda a saúde mental da sociedade”, ressalta o especialista.

Ainda de acordo com o psicólogo, hoje as pessoas se preocupam um pouco mais com a saúde mental, mas ainda procuram soluções rápidas, o que não é efetivo. “Você não encontra um remédio específico para sua saúde mental na farmácia, é um cuidado que precisa de tempo e comprometimento com o tratamento, por exemplo, e com as mudanças necessárias para que a saúde se restabeleça”, diz Flávio.

Atendimento gratuito

A clínica de Psicologia da UMC oferece acompanhamento psicológico gratuito. Os atendimentos ao público são feitos por estudantes que estão no sétimo período em diante, supervisionados por professores. Os agendamentos podem ser feitos das 8 às 21 horas, exclusivamente pelo telefone 4798-7133.