Um menino de 10 anos foi parar na UTI depois de ser picado por um escorpião enquanto dormia, nesta terça-feira (2), em Ferraz de Vasconcelos. O caso foi em um condomínio da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU), no Parque Dourado, que convive com infestação de bichos peçonhentos há cerca de cinco anos.

A Prefeitura de Ferraz de Vasconcelos disse, em nota, que está ciente do problema, mas que vai enviar equipes ao local. Já a CDHU informou que uma equipe vai nesta quarta-feira (3), ao condomínio para verificar se o terreno – que, segundo moradores, é causador do problema, pertence à companhia (veja as notas completas abaixo).

O problema já foi mostrado pelo g1. Em 2017, Lilian Lúcio Cezar, mãe do menino, expôs o medo de que seus filhos fossem picados. Na época ela chegou a dizer que as crianças estavam traumatizadas e que tinham pesadelos com os escorpiões.

Revoltada, ela agora vê o filho sendo afetado por um problema que poderia ter sido solucionado há muito tempo. Gustavo Daniel está internado no Hospital Regional de Ferraz de Vasconcelos, onde recebeu um antídoto, está sendo medicado e segue em observação.

“A gente acordou com ele gritando, dizendo que o escorpião tinha mordido ele. A gente correu, pegou o animal, colocou dentro de um vidro e pegou ele. Chamei um vizinho, colocou ele dentro do carro e trouxe pro hospital”, relata a mãe.

“Ele foi muito bem atendido pela equipe do hospital. Imediatamente, foi encaminhado pra UTI. O efeito do veneno causou alteração cardíaca. A gente trouxe ele pra cá, que está sendo bem monitorado. Teve que vir pra UTI por causa das alterações cardíacas por ter só 10 anos de idade”.

Lilian diz que o filho reclama de dor, mas que está recebendo os cuidados necessários. A expectativa é que ele continue na terapia intensiva por, pelo menos, 24 horas. A preocupação, porém, é que o problema volte a acontecer no futuro ou que atinja os outros filhos dela.

“Fizemos reclamações e nunca ninguém deu atenção pra gente. Eu tenho mais quatro filhos pequenos, fora os outros moradores, fora as outras pessoas que já foram picadas. A gente sempre a mercê dessa situação. CDHU joga pra Prefeitura, a Prefeitura joga pro CDHU”, diz.

“Como mãe, me sinto impotente. São tantos anos pedindo socorro. Tantos anos pedindo ajuda e ninguém escuta. Quando escutam, fingem que vão dar solução. Esperam a poeira abaixar, depois esquecem de nós”.

De acordo com Lilian, agentes da Vigilância Sanitária chegaram a visitar o bairro e disseram aos moradores que o local é um criadouro de escorpiões. Por isso, seria difícil exterminá-los. No entanto, a desculpa não convence quem convive com a situação.

“Fica a pergunta: por que, se lá é um criadouro, eles construíram prédios e deixaram a gente morar lá, igual palhaço? Quando a CDHU disponibilizou essas apartamentos, a gente acreditou que era algo bom. Mas como você coloca pessoas pra morar em criadouros de escorpião?”.

Problema antigo
O condomínio começou a ser invadido por escorpiões e aranhas em 2016. No ano seguinte, cobras também foram vistas no local. Na época, os moradores relataram que o problema era um terreno baldio, vizinho ao conjunto habitacional, onde o mato alto e o lixo serviam como criadouro.

Os bichos começaram aparecendo na área externa, mas logo invadiram os apartamentos. Naquele ano, já havia relatos de pessoas picadas. Como muitas crianças e idosos vivem no local, os moradores temiam que a infestação terminasse em tragédia.

O problema voltou a ser mostrado em 2021. Os moradores chegaram a instalar telas nas janelas para evitar que os bichos entrassem, mas não adiantou. A própria Lilian relatou que era comum encontrar escorpiões na cozinha e até na beirada da cama. Reclamações que nunca tiveram solução.

“A situação lá permaneceu a mesma. Sempre a mesma coisa, mesmo jogo de empurra. Em junho agora, a Prefeitura mandou uma equipe pra fazer a limpeza do terreno. Só que invés de ir pro terreno que tinha acionado, eles foram para outro completamente oposto”, diz.

“Outras pessoas já foram picadas. Na época de junho, o filho de outra vizinha tinha acabado de ser picado também. Agora os escorpiões continuam aparecendo sempre, entrando dentro da casa da gente. Dessa vez foi dentro da minha casa e meu filho que foi picado”.

Em nota, a Secretaria de Saúde de Ferraz de Vasconcelos disse que “está ciente de que a região tem histórico de aparecimento frequente de escorpiões e já realiza constantemente ações de prevenção no local”. Informou também que, diante do ocorrido, “vai enviar equipes ao local para averiguar mais uma vez a atual situação e tomar todas as providências cabíveis”.

A CDHU informou que uma equipe vai nesta quarta-feira (3), ao local para averiguar se o terreno ao lado do empreendimento habitacional ‘Ferraz de Vasconcelos A’ é da companhia. “A CDHU esclarece que cabe ao condomínio, aos moradores e à equipe de zoonose da prefeitura local adotar as providências necessárias quando detectada a presença de escorpião no interior das residências”.

Fonte: G1