A BioNTech e a Pfizer afirmaram nesta quarta-feira (8) que estudos preliminares mostram que três doses de sua vacina contra a Covid-19 neutralizam a variante ômicron. Segundo elas, o resultado obtido um mês após a terceira dose é comparável ao observado após duas doses contra a cepa original.

No comunicado, as fabricantes explicaram que duas doses da vacina resultaram em anticorpos neutralizantes significativamente mais baixos, porém, que uma terceira dose aumenta os anticorpos em 25 vezes.

As empresas também disseram que, mesmo com a queda dos anticorpos após duas doses, a vacina segue protegendo contra as formas graves da Covid-19. Além disso, disseram que seguem monitorando de perto a efetividade da vacina no mundo real contra a nova variante.

“Embora duas doses da vacina ainda possam oferecer proteção contra forma grave causada pela cepa ômicron, a partir desses dados preliminares está claro que a proteção é melhorada com uma terceira dose”, disse Albert Bourla, presidente e CEO da Pfizer.

Ainda segundo as empresas, elas seguirão coletando dados de laboratório e disseram que, se necessário, podem entregar uma vacina adaptada à nova variante em março de 2022.