Com a chegada do período de fortes chuvas, a Prefeitura de Poá preparou, por meio do setor de Defesa Civil da Secretaria de Segurança Urbana, o “Plano Verão 2022”, com o objetivo de definir um trabalho preventivo e de contingência com planejamento e execução de medidas, mitigação, resposta e recuperação, em caso de ocorrências registradas em virtude destas precipitações pluviométricas.

De acordo com a responsável pela Pasta, Marlene Sant’Anna, o “Plano Verão” é de extrema importância para o município, pois define ações que devem ser adotadas em situações que possam colocar em risco à segurança, saúde, moral e os bens da população durante o período chamado de “Vigilância e Alerta”, que fica em vigência entre os dias 1º de dezembro de 2021 a 31 de março de 2022.

“A Defesa Civil aponta que o município de Poá possui 21 áreas consideradas de risco, como inundações e escorregamentos, e que são monitoradas constantemente. Desde o início do ano, a Administração Municipal tem executado ações de limpeza e desobstrução de bocas de lobo e redes coletoras de águas pluviais, além de desassoreamento de córregos com a intenção de aumentar a vazão das águas, além da cidade contar com o piscinão, que é uma grande ferramenta para o combate às enchentes”, destacou a secretária.

Além destas ações já adotadas, o Plano Verão está dividido em quatro fases, que prevê para este período de “Vigilância e Alerta” a adoção das referidas medidas: Observação (1) – acompanhamento dos índices pluviométricos; Atenção (2) – vistoria de campo nas áreas de risco quando o acumulado de chuva durante três dias atingirem 80 milímetros; Atenção (3) – remoção preventiva da população, das áreas de risco eminente, indicadas pelas vistorias; Alerta Máximo (4) – remoção de toda a população que habita áreas de risco.

“A adoção destas medidas preventivas para ocorrências desastrosas é importante para atendermos aos anseios da população diante deste cenário, assim como evitar que tais situações venham a acontecer. Estamos fazendo todo o possível para que o município não sofra com este período de ‘Vigilância e Alerta’”, afirmou Marlene.