Foram registrados pelo menos 24 casos em São Paulo de pessoas diagnosticadas com Covid-19 ne gripe ao mesmo tempo, segundo dados divulgados nesta terça-feira (4) pela Secretaria da Saúde da capital.

“Flurona”, como é conhecida, ocorre quando o indivíduo contrai a gripe e a Covid-19 ao mesmo tempo. O termo veio da junção das palavras “flu” (gripe, em inglês), e “rona” (parte da palavra coronavírus).

Outros estados como Rio de Janeiro e Ceará também registraram casos da “flurona”.

Após receber o diagnóstico positivo para “flurona” em 20 de dezembro, a jornalista Giulia Fernandez relatou como foram os seus dias.

“Como meus sintomas começaram no mesmo dia e fiz teste no mesmo dia, e os dois deram positivo, o período de isolamento foi o mesmo, 10 dias. Mas foram dias muito complicados, quatro dias de cama que eu não conseguia levantar, e a partir disso fui melhorando aos pouquinhos”, contou.

Segundo alguns médicos ouvidos pela TV Globo, a dupla infecção não traz, necessariamente, um aumento de sintomas.

A infectologista Miran Dal’Ben, do Hospital Sírio Libanês, diz que a infecção dupla não aumenta as chances de óbito e nem faz com que as doenças sejam mais leves.

“O importante é que as pessoas precisam saber que a gente não tem nada ainda na ciência que fale pra gente que pegar as duas coisas ao mesmo tempo aumente as chances da pessoa morrer ou que faça a doença talvez ser mais leve. Nenhuma das duas coisas”, disse a médica.

“A gente acaba tendo que acompanhar as duas doenças como a gente faria se a pessoa tivesse pegado de forma independente”, explicou.