O presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta quinta-feira (27) um reajuste do piso salarial para professores da educação básica de todo o Brasil em 33,24%. Com a mudança, o piso passa de R$ 2.886 para R$ 3.845.

“Esse é o maior aumento já concedido, pelo governo federal, desde o surgimento da Lei do Piso. Mais de 1,7 milhão de professores, dos estados e municípios, que lecionam para mais de 38 milhões de alunos nas escolas públicas serão beneficiados”, publicou o presidente em suas redes sociais.

Sancionada em 2008, a lei do piso salarial dos professores estabelece que o reajuste é feito anualmente, no mês de janeiro.

Pela Lei do Magistério, o reajuste de professores é atrelado ao chamado valor por aluno do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), definido pelo Ministério da Educação, com base na inflação. No ano passado, o governo não realizou reajustes.

A Casa Civil, o Ministério da Economia e o Ministério da Educação estavam considerando um aumento de 7,5%, que atenderia governadores e prefeitos. Os estados e municípios arcam com a maior parte do custo da folha da educação básica.

A pressão de parlamentares da área da educação e das categorias do magistério, além de ameaças de judicialização, fizeram o governo não dar um aumento abaixo de 33%, assumindo um custo político.

“Eu vou seguir a lei. Governadores não querem 33%. Eu vou dar o máximo que a lei permite, que é próximo disso, ok?”, afirmou Bolsonaro em conversa com apoiadores.

Segundo a lei, a União deverá entrar com uma complementação no caso de governos estaduais e municipais que comprovarem não ter como arcar com o aumento dentro do percentual do orçamento vinculado à educação.