Raquel Antunes da Silva, de 11 anos, morreu no começo da tarde desta sexta-feira (22) após ser atropelada pelo carro abre-alas da Em Cima da Hora. A garota foi imprensada por um poste e pela alegoria, o que causou também a perda da perna direita durante uma cirurgia. O carro da escola foi apreendido pela Polícia Civil.

Raquel estava internada em estado gravíssimo no Hospital Souza Aguiar, no Centro da cidade e, segundo funcionários da unidade, teve uma hemorragia interna.

Durante a cirurgia que durou mais de 6 horas, Raquel sofreu uma parada cardiorrespiratória, além disso, ela teve traumatismo no tórax e estava respirando por aparelhos.

Uma funcionária da unidade disse que a tia da menina ligou para a mãe de Raquel para informar sobre a morte. A mãe de Raquel, Marcela Portelinha, desmaiou ao chegar ao hospital. Ela está grávida.

Mãe de Raquel desmaiou no Hospital Souza Aguiar ao saber da morte da filha — Foto: Reprodução/GloboNews

Marcela precisou ser carregada por um enfermeiro para dentro da unidade de saúde. A mãe de Raquel disse que não recebeu nenhuma ajuda da Liga ou da Em Cima da Hora.

Ainda não há previsão para o enterro de Raquel.

A pastora da igreja da família, Aline Mota, se emocionou ao chegar ao hospital e lamentou a perda.

“Raquel era uma menina do coral da minha igreja. Eu a abracei quando ninguém queria abraçar. Eu acho desumano não comparecer ninguém aqui da escola, como se a família fosse cachorro. Enquanto estavam desfilando 2h30 da manhã, a Raquel estava amputando a perna. E agora perdeu a vida”, disse Aline.

Após o primeiro dia dos desfiles das escolas de samba da Série Ouro, o MP afirmou que o desfile na Sapucaí violou normas de segurança estabelecidas para o evento. Um dos itens fala sobre a segurança para crianças e adolescentes na concentração e dispersão de carros alegóricos.

Liga das Escolas emite nota

A Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro emitiu uma nota de pesar sobre o caso. A escola de samba Em Cima da Hora ainda não falou sobre o caso.

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, também falou sobre a morte de Raquel, dizendo que deixa um “grande sentimento de tristeza” e que acompanharia o trabalho da polícia.

Após o ocorrido, a Justiça determinou que as escolas de samba façam escolta dos carros alegóricos até os barracões. A decisão do juiz Pitthan Espíndola, da 1ª Vara da Infância, da Juventude e do Idoso, acolheu o pedido do Ministério Público estadual.

Nota da Liga

“É com extremo pesar que a Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro recebe a notícia da morte de Raquel Antunes da Silva. A direção da Liesa está consternada e se solidariza com a família e amigos de Raquel.

Na noite da última quarta-feira, 20, primeiro de desfiles da Serie Ouro, comandado pela LIGA RJ, a jovem menor subiu no carro alegórico fora do sambódromo, na Rua Frei Caneca, no Estácio após o carro deixar a área de dispersão.

A Liesa segue colaborando com as autoridades e reforça que para os desfiles que estão sob sua responsabilidade, os do Grupo Especial, as escolas estão preparadas para utilizar escolta dos Carros alegóricos da saída do Sambódromo até o retorno à Cidade do Samba e também na ida dos carros para a Marquês de Sapucaí”.