O ex-governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou sua desistência da pré-candidatura à Presidência no início da tarde desta segunda-feira (23), na capital paulista.

João Doria, ex-governador de SP, anuncia desistência de sua pré-candidatura à Presidência pelo PSDB

“Para as eleições deste ano me retiro da disputa com o coração ferido, mas com a alma leve”, disse Doria.

A decisão do ex-governador foi anunciada um dia antes da executiva do PSDB se reunir para definir sua posição na disputa presidencial de outubro.

Doria disse que o Brasil “precisa de uma alternativa para oferecer aos eleitores que não querem os extremos”.

O ex-governador enfrentava resistência interna no PSDB e de partidos da terceira via.

“Hoje, neste 23 de maio, serenamente, entendo que não sou a escolha da cúpula do PSDB. Aceito esta realidade de cabeça erguida”, afirmou Doria.

Momentos após o anúncio da desistência de Doria, Simone Tebet (MDB) disse que conta com sugestões de Doria para o programa e governo dela.

“Doria nunca foi adversário. Sempre foi aliado. Sua contribuição com a luta pela vacina jamais será esquecida. Vamos conversar e receber suas sugestões para nosso programa de governo”, disse em nota.

O presidente nacional do PSDB, Bruno Araújo, esteve no anúncio de Doria e, após a desistência do ex-governador, defendeu uma candidatura única com MDB e Cidadania para as eleições de outubro.

“Nós temos um entendimento de diálogo com o Cidadania e com o MDB e nós vamos dar um passo à frente agora. A construção agora não é só definir o nome – e o nome de Simone é um nome posto nessa construção -, mas agora precisamos construir um projeto de compromisso de programa com o Brasil”, disse Araújo.

Prévias

Doria foi escolhido como pré-candidato do PSDB à Presidência da República em novembro do ano passado, quando, em eleição interna, recebeu mais votos que o ex-governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, e o ex-prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto.

Na eleição, Doria recebeu 53,99% dos votos, Leite conseguiu 44,66% e Virgílio, 1,35%.

Em 15 de maio, Doria enviou uma carta ao presidente do PSDB, Bruno Araújo, em que afirmava que manteria sua candidatura e que poderia judicializar a situação, caso fosse abandonado pelo partido.