O presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), discursou nesta quarta-feira (16) na 27ª Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas (COP27), e disse que ouve constantemente que outros líderes sentem falta do Brasil, mas afirma que “o Brasil está de volta”.

Lula também propôs em seu discurso uma aliança global para combater a fome no mundo.

“Este é um desafio que se impõe a nós brasileiros e aos demais países produtores de alimentos. Por isso estamos propondo uma aliança mundial pela segurança alimentar, pelo fim da fome e pela redução das desigualdades, com total responsabilidade climática”, disse o petista.

“Quero dizer que o Brasil está de volta. Está de volta para reatar os laços com o mundo e ajudar novamente a combater a fome no mundo”, disse em outro momento de seu discurso.

O presidente eleito recebeu muito aplausos da plateia e foi recebido com gritos de “melhor presidente do Brasil”.

O petista também cobrou países ricos pelo cumprimento dos acordos climáticos, além de criticar gastos em guerras.

“Gastamos trilhões de dólares em guerras que só trazem destruição e mortes, enquanto 900 milhões de pessoas em todo o mundo não têm o que comer.”, argumentou Lula.

Durante seu discurso ele também anunciou a criação do Ministério dos Povos Originários, novidade no governo brasileiro.

Luiz Inácio compareceu ontem ao estande dos governadores dos Estados da Amazônia Legal e discursou por cerca de 10 minutos. O presidente expressou sua vontade de que o Brasil seja sede da COP30, marcada para 2025, e disse que atenderá ao pedido feito pelo governador do Pará, para que a sede seja a Amazônia.

Por Heloísa Durand, sob supervisão de Lucas Augusto