O Twitter, rede social recém-comprada pelo bilionário Elon Musk, apresentou instabilidades na madrugada desta sexta-feira (18). Musk disse nesta sexta-feira que não está preocupado com a saída de funcionários da plataforma. “As melhores pessoas vão ficar, então não estou super preocupado”, publicou Musk em seu perfil.

Os problemas duraram cerca de duas horas e meia, até por volta das 3h desta sexta. Segundo relatos de usuários registrados na plataforma Downdetector, os três principais problemas relatos foram a conexão com o servidor, dificuldade de uso do aplicativo e falha no acesso ao site do Twitter.

Centenas de funcionários se demitiram após receberem um e-mail de Musk avisando para que se comprometam com “longas horas de trabalho em alta intensidade” ou que deixem a empresa.

Musk já demitiu cerca de metade dos funcionários do Twitter desde que assumiu a empresa, entre eles, grandes executivos, além disso, ele encerrou o home office de todos os funcionários.

A rede foi comprada em outubro por Elon Musk, ele afirma que vai defender a liberdade de expressão no Twitter, mas não deu mais detalhes sobre. Um de seus objetivos é diminuir a dívida do Twitter, com um modelo de assinaturas para aumentar o faturamento, tornando a empresa menos dependente da receita de anúncios publicitários. Musk, sobretudo, indicou aos funcionários que a empresa pode ir à falência se não gerar mais lucros nos próximos meses.

O bilionário ironizou em sua conta a suposta “morte” do Twitter.

“Um número recorde de usuários está se conectando para ver se o Twitter está morto, ironicamente tornando-o mais vivo do que nunca.”, escreveu ao responder um usuário.

Elon Musk ironiza comentários sobre o Twitter – Foto: Reprodução/Twitter

Por Heloísa Durand, sob supervisão de Lucas Augusto